Jardinagem Libertária em Tchekhov

SONIA: Mikhail Lvovitch planta novos bosques todos os anos e já recbeu uma medalha de bronze e um diploma por isso. Ele se esforça para que as velhas florestas não sejam derrubadas. Se a senhora o escutar vai concordar com ele em tudo. Ele diz que as florestas embelezam a terra, ensinam ao homem o que é belo e elevam o espírito. A floresta atenua a severidade do clima. Nos países onde o clima é mais ameno gastam menos energia na luta contra a natureza e, por isso mesmo, lá o homem é main manso e terno, lá as pessoas são mais bonitas e sensíveis, o entusiasmo brota fácil, a fala é melodiosa e os movimentos são graciosos. A ciência e as artes florescem, a filosofia não é tão lúgubre e a relação com a mulher é impregnada de beleza e nobreza.

VOINITSKII: (rindo) Bravo, bravo! Tudo isto é encantador, mas nada convincente, portanto (a Astrov) nos permita, amigo, que continuemos usando madeira para aquecer nossas estufas e construir nossos celeiros.

ASTROV: Você poderia aquecer a estufa com turfa e construir o celeiro com pedras. Está bem, que seja, você pode cortar a árvore quando precisar . . . mas para que destruir as florestas? As florestas russas rangem sob os golpes de machado, milhões de árvores são derrubadas, os lares dos animais selvagens e dos pássaros são revirados, os rios se esgotam e secam, desaparecem para sempre as paisagens maravilhosas (somente porque não passa pela cabeça do homem preguiçoso dobrar as pernas e catar a lenha do chão. (A Ielena Andréivna) Não tenho razão, minha senhora? É um bárbaro insensato aquele que queima na estufa essa beleza, destrói aquilo que somos incapazes de criar. O homem foi dotado de juízo e força criadora para que multiplicasse aquilo aque lhe foi entregue, mas até agora nada criou, apenas destruiu. A cada dia as florestas minguam mais e mais, os rios se esgotam, a vida selvagem se extingue, o clima fica mais adverso e a terra cada vez mais se torna pobre e feia. ( A Voinitskii) Seu olhar é irônico e acha que estou falando besteiras . . . talvez haja, de fato, algo de excêntrico nisso tudo, mas quando passo pelos bosques dos camponeses que salvei da destruição, ou quando ouço o sussurar do bosque jovem que plantei com as próprias mãos, então sei que o clima depende um pouco de mim também, e se dentro de mil anos o homem for feliz, então eu também contribuí com uma pequena parcela para isso. Quando planto uma muda de bétula e mais tarde a vejo verdejante, agitando-se ao vento, minha alma se enche de orgulho e eu . . . no geral amo a vida, mas acho insuportável nossa vidinha russa burguesa e provinciana, eu a desprezo com todas as minhas forças.”

Anúncios

5 Respostas to “Jardinagem Libertária em Tchekhov”

  1. IELENA ANDRÉIEVNA – ( … ) Ele planta uma muda e já especula sobre o que vai ser daí a mil anos, já vislumbra a felicidade dos homens. Esse tipo de gente é raro. Temos de amá-los…

  2. Eu trabalho com Tchekhov para me enriquecer, aprender coisas novas, desenvolver meu mundo espiritual, minha personalidade e para pensar sobre o que está à minha volta. Tchekhov rompeu com a religião tradicional. Mas ele pensava muito sobre a criação do mundo, ele tinha sede de conhecimento, e queria ter uma grande idéia, esclarecer o sentido da vida. E é por isso que ele diz, em “As Três Irmãs”, que o homem tem que procurar ter fé senão sua vida é vazia. Ele tentou entender as relações possíveis entre o homem e o universo e como a realidade pode se misturar à nossa vida. É o que eu chamo de “a moral tchekhoviana”. Segundo ele, deve-se ser responsável perante os outros e perante o meio à nossa volta, permanentemente.
    (Peter Stein – encenador alemão – 2001)

  3. Carolina Says:

    uma curiosidade: esse texto do Tchekhov traduzido como “O Tio Vânia” é de 1897.

  4. walfrido… quero postar aqui, o goura disse que mandava o e-mail de convite, você pode me adicionar? nickname é parashu.

  5. Posso te adicionar sim… mas preciso do teu email.
    O goura também pode te adicionar, mas acho que ele não deve
    ter perdido tempo aprendendo muito sobre o wordpress,
    então me mande um email no: walfrido77@gmail.com
    que eu adiciono você e quem mais quiser.
    Eu ando meio sumido do blog, mas já andei plantando e fotografando
    por aí e em breve volto a postar algumas coisas…
    abraços!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: